Escolha uma Página Menu

Controle financeiro: 9 dicas para tomar as rédeas das suas finanças

27 ago 19 | Finanças

Você já ouviu falar sobre a importância do controle financeiro mas ainda não conseguiu tomar as rédeas dos seus gastos? Saiba que a prática de controlar gastos pode ser mais simples e recompensadora do que você imagina.

A sensação de não saber para onde vai o seu dinheiro ou acabar o mês no negativo certamente não é confortável, mas ao mudar hábitos e passar a controlar seus ganhos e suas despesas, você terminará o mês com mais tranquilidade e pode planejar melhor o futuro para conseguir realizar seus sonhos.

Se você quer tomar as rédeas das suas finanças e ter uma vida financeira mais estável, confira estas 9 dicas que preparamos para você.

1. Faça um levantamento das suas obrigações financeiras

O primeiro passo para quem quer ter um controle financeiro eficiente é conhecer o tamanho do problema atual. Se você está com dívidas, descubra qual é o valor atualizado delas e a taxa de juros de cada uma.

Se não há contas atrasadas mas você tem, por exemplo, compras parceladas que serão cobradas nos próximos meses, elas também devem entrar no levantamento. Além disso, você precisa saber quais são seus gastos fixos básicos.

Nessa etapa, o objetivo é descobrir qual é o valor mínimo que você precisa para pagar aluguel, alimentação, transporte e outros gastos que não podem ser cortados. Conhecendo suas dívidas, suas contas a vencer e os seus gastos básicos, é hora de colocar a mão na massa.

 

2. Conheça sua renda e compare com seus gastos básicos

Essa dica vale principalmente para aqueles que não têm uma renda fixa mensal, mas não só para eles. Quem é autônomo, empresário, comerciante ou trabalha ganhando comissão pode ter grandes dificuldades em entender quanto ganha.

Se você vai recebendo dinheiro de vários clientes ao longo do mês, fica fácil perder o controle financeiro das receitas. A ideia aqui é registrar tudo que está entrando na sua receita e conseguir calcular uma média de renda mensal.

É claro que a renda dos autônomos oscila bastante, e você verá que a sua média vai se ajustando conforme os meses passam. O importante é, porém, certificar-se que está controlando o que ganha.

Já para quem tem uma renda fixa que cai todos os meses na conta, fica fácil saber quanto ganha. Agora que você já calculou seus gastos indispensáveis e suas dívidas, você pode comparar com a sua renda.

Quem gasta mais que 50% da renda com os gastos básicos provavelmente vai ter dificuldades em manter o controle financeiro. Se este é o seu caso, é hora de ligar o alerta vermelho.

Menina passando seu cartão de crédito em uma padaria.

 

3. Saiba para onde está indo seu dinheiro

Seus gastos fixos são relativamente fáceis de identificar, pois você já sabe o quanto tem que pagar de aluguel, da TV a cabo ou Netflix, mensalidade da escola dos filhos ou outros gastos que se repetem. Provavelmente, sabe também o quanto gasta em média com água, energia e telefone.

O que sai facilmente do controle financeiro são os demais custos. Os gastos do chamado estilo de vida são as coisas que você não precisa para sobreviver, mas são necessárias para seu lazer, compras e diversão.

O que acontece é que muita gente vai gastando um pouco a cada dia e no fim do mês não sabe para onde foi o dinheiro — esse é um dos maiores erros de controle financeiro que você pode cometer.

É indispensável que você anote cada real que gasta, e isso não é tão difícil de fazer. A maneira mais prática de fazer o controle financeiro hoje em dia é com seu próprio celular, usando aplicativos feitos para tal. Se você preferir, pode fazer anotações manuais, usar uma planilha, ou qualquer outro método que se adapte à sua rotina.

O importante é que você anote tudo que sai do bolso e da conta e consiga entender para onde está indo seu dinheiro. Você provavelmente vai se surpreender ao ver o quanto gastou com itens que parecem pequenos, mas acabam pesando no bolso.

4. Identifique possibilidades de cortar gastos

Estando consciente sobre tudo que gasta e tudo que ganha, é possível identificar possibilidades de cortar gastos. Tente limitar seus gastos básicos a 50% da sua renda e seus gastos com estilo de vida a 35%. Os 15% restantes devem ser usados para prioridades financeiras. 

Essa é a famosa regra dos 50-35-15, que é um bom caminho para quem quer ter controle financeiro. Se você já está endividado, pode ser necessário cortar ainda mais. Ainda que seja por alguns meses, até você se estabilizar, será preciso cortar qualquer gasto supérfluo, como restaurantes, compras de roupas e sapatos, TV a cabo etc.

Pode parecer muito difícil no início e provavelmente será desconfortável. Porém, uma vez que você se livrar das dívidas, pode voltar a ter um estilo de vida mais confortável.

Pai e filho verificando as finanças em um iPad

 

5. Envolva sua família no controle financeiro

Para quem é casado, tem filhos, mora com o namorado ou namorada, divide as contas com os pais ou tem qualquer outro tipo de relacionamento onde a vida financeira é compartilhada, a tarefa do controle financeiro não pode ser realizada individualmente.

Para ter sucesso, você precisa convencer quem participa da sua vida financeira de que é importante tomar essas decisões. Se você tem filhos um pouco maiores, eles já têm capacidade de entender e podem, inclusive, ajudar a cortar gastos em casa.

Vale mencionar ainda que o assunto deve ser tratado com delicadeza para evitar brigas. Em vez de adotar um tom de acusação, dando a entender que a outra pessoa gasta demais, se coloque disponível para trabalhar em equipe. Mostre para seu companheiro ou companheira os benefícios que vocês alcançarão se agirem de forma mais consciente com o dinheiro.

6. Regularize suas dívidas

Quem está com contas atrasadas, financiamentos com parcelas vencidas, dívida no cartão de crédito ou qualquer outra dívida que está gerando juros precisa agir rápido. É importante focar seu controle financeiro em regularizar a situação, limpar seu nome e parar de pagar juros absurdos todos os meses.

Comece atacando as dívidas com taxas de juros mais alta e com maior valor. Tente renegociar diretamente com cada credor para conseguir um desconto. Se você conseguir um bom desconto para pagar as dívidas à vista, pode ser vantajoso pegar um empréstimo com juros baixos e usar para pagar.

7. Faça mudanças nos seus hábitos

Além das possibilidades de cortar gastos de forma passageira, como ficar um tempo sem TV a cabo ou sem comer fora de casa, você provavelmente precisará mudar hábitos para ter estabilidade financeira de forma duradoura. É fundamental que o seu estilo de vida seja realista e se adeque à sua renda.

Como já falamos, a regra 50-35-15 é um bom parâmetro. Se seus gastos básicos estão acima dos 50%, estude a possibilidade de, por exemplo, mudar para um apartamento mais barato e economizar no aluguel. Se tem dois carros na família, pode se desfazer de um.

Cozinhar mais em casa em vez de ir a restaurantes, mudar para uma academia mais em conta, se reunir com os amigos em casa em vez de ir ao um bar, todas são mudanças que você pode fazer.

Para quem ganha pouco, é ainda mais desafiador. Se você já não tem gastos como restaurantes, academia ou carro para cortar, precisará ser ainda mais criativo. Estude a possibilidade de passar a fazer compras em um mercado mais barato, comprar marcas menos conhecidas, e até mesmo de conseguir uma renda extra vendendo alguma coisa.

Essa mudança de hábitos provavelmente é a parte mais difícil, pois ninguém quer abrir mão do divertimento e conforto. No entanto, a preocupação gerada pelo descontrole financeiro é maior do que essa sensação de conforto momentânea.

Com o tempo, você verá que fazer essas mudanças vale a pena, afinal, terminar o mês sem ficar no vermelho e conseguindo juntar dinheiro para seus planos é muito gratificante. 

 8. Planeje suas compras

Compras por impulso devem ser eliminadas da sua rotina se você quer ter controle da sua vida financeira e você precisa começar a comprar apenas aquilo que está planejado. As compras de maior podem ser divididas, desde que o financiamento seja sem juros e a parcela caiba no seu orçamento.

Se não conseguir financiar sem juros, é melhor adiar a compra por alguns meses e juntar o dinheiro em vez de pagar mais caro. Compras como roupas, sapatos, itens para a casa, e tantos outros também são necessários, e você deve incluí-los no orçamento mensal. O que não pode é ultrapassar o valor planejado.

Por fim, é óbvio que ninguém consegue planejar cada centavo das suas compras de forma antecipada. Por isso, é importante estabelecer um limite mensal para as compras não programadas. Uma vez atingido esse limite, mantenha a disciplina para não se render à tentação do consumo.

Atendente passando um cartão de crédito na maquininha.

 

9. Tenha metas de economia

Uma vez que você já quitou as dívidas, pode pensar em fazer economia mensal para investir em algum projeto, fazer uma viagem, pagar por um curso etc. Tenha metas de curto, médio e longo prazo.

Você não precisa ser nenhum expert em economia para conseguir poupar um dinheiro todo mês e fazer um investimento. Com o tempo você vai aprendendo sobre o assunto e pode fazer seu dinheiro trabalhar para você. Em vez de pagar juros, você em breve estará recebendo juros.

Como você viu, ter controle absoluto dos seus gastos é essencial para garantir a sua tranquilidade financeira. Anotar todas as despesas logo vai virar um hábito e você ficará feliz em entender como gasta seu dinheiro.

Fazendo cortes e adaptando seu estilo de vida à sua renda, você conseguirá ter controle financeiro, estabelecer metas e realizar seus sonhos. Quem está endividado deve dar prioridade para o pagamento das contas atrasadas e, em muitos casos, é vantajoso até mesmo substituí-las por uma dívida com juros mais baixos, como um empréstimo.

Tomar as rédeas das suas finanças pode ser assustador no começo, e a mudança de hábitos é sempre difícil. Porém, com disciplina e metas firmes para o futuro, você verá bons resultados e o controle financeiro se tornará uma parte natural da sua vida.

E aí, nosso conteúdo te inspirou a ter uma vida financeira mais tranquila? Então continue lendo e aprendendo: confira 15 dicas de economia doméstica para a família toda.

%d blogueiros gostam disto: